Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Xica Margarida

26.12.18

Pequeno Hobbit ataca de novo

Xica Margarida

aqui falei do pequeno Hobbit que partilha a parede do quarto comigo. Dito assim até parece fofinho. O pequeno Hobbit (decidi chamá-lo assim por causa da coisa da proteção de dados e tal. Assim ninguém o consegue identificar e não me multam e coiso), além de acordar às cinco da manhã entra noutras aventuras. 

Então aqui vai uma lista dos seus defeitos: não cumprimenta os seus vizinhos (mas o defeito não é só dele. Este prédio deve ter algum problema), não partilha o mesmo elevador (para partilhar a parede do quarto já é menino, mas o elevador faz-lhe espécie), tem medo do meu cão (daí não partilhar o elevador comigo), fuma nos espaços comuns e o pior de tudo é que coloca o carro a trabalhar dentro da garagem. Esperem lá, não estou maluca de todo. Eu sei que a pessoa tem que por o carro a trabalhar para sair da garagem. Todos o fazemos. Também não quero o pequeno Hobbit com suas perninhas tão pequeninas a empurrar o carro pela garagem fora só para não me chatear. 

O problema é que ele coloca o carro a trabalhar dentro da garagem e fica lá dentro durante (sei lá) meia hora. Acontece que já o apanhei lá e o ambiente que estava na garagem era tóxico. Eu pensei: a pessoa pensou em suicidar-se e quer levar-nos a todos com ele. Chegaram a arder-me os olhos. Lá tive que ir denunciar o pequeno Hobbit. Ele agora já não faz isso. Mas aposto que deve ter vontade. 

Dizem vocês: isto já cheira a perseguição. Deixa lá o homem em paz. Eu deixo, mas ele também tem que me deixar a mim. Ele já devia saber que não é bom incomodar-me. Qualquer dia atiço-lhe o meu cão que é capaz de lhe saltar para cima (dada a sua baixa estatura) e lambê-lo até ele cair para o lado. 

24.12.18

Não enganem os vossos filhos que eles um dia descobrem

Xica Margarida

pai-natal.jpg

Imagem retirada aleatoriamente do Google. Não sei a quem pertence. Acusem-se.

 

Vamos lá falar de coisas sérias: a existência do Pai Natal. Eu proponho deixarmos de enganar as crianças e dizer logo de uma vez que não há nenhum velhinho que entre em casa e que deixe lá as prendas. Não há necessidade de escrever cartinhas, nem deixar leite nem bolachas porque o velho gordo é apenas e só alguém da família que se vestiu de vermelho e meteu umas barbas brancas.

Meus senhores, as crianças são muito inteligentes. Mais inteligentes que muitos adultos. Não vale a pena andarmos com isto. Até mesmo para as protegermos. Imaginem o seguinte cenário: a vossa criancinha no infantário. Ao lado um puto a quem os pais não enganam. Esse puto conta toda a verdade à vossa criatura. Imaginem o desgosto do pequeno petiz que vocês tanto acarinham. As lágrimas a correrem-lhe pelas faces. O sentimento de traição: os meus próprios pais mentem-me a vida toda. Eu acho que não vale a pena arriscar. 

Assim, proponho dizer logo aos pequenos rebentos que a história do Pai Natal é muito bonita e tal mas quem traz as prendas somos nós. Eles têm que agradar é a família e não um velho gordo que só existe nos hipermercados e onde todos correm para tirar fotos com ele. 

Peço desculpa se alguém desse lado ainda acreditava que o Pai Natal existia mesmo. Agora vão ter com os vossos pais e perguntem-lhes porquê. Sim, porque é que não vos prepararam para as agruras da vida logo cedinho. 

18.12.18

Collants: peça de roupa inventada por quem não a veste

Xica Margarida

É que é uma peça de roupa que me enerva tanto que nem consigo bem escrever sobre isto... Até estou com um bloqueio artístico.

A verdade é que não uso muitas vezes collants, mas agora como estou uma lontra, decidi começar a optar por usar mais vestidos. Daí a necessidade de vestir aquela peça de roupa concebida por quem não a veste. Senão vejamos: quando pegamos numas collants elas parecem sempre de criança. A verdade é que foram feitas para esticar e ficar agarradinhas ao nosso corpo, mas só aquela imagem já assusta. Depois todo o processo de vestir. Cuidado para não rasgar, puxar bem para não ficarem a cair pelas pernas abaixo e quando termino estou mais cansada do que aquela vez em que caminhei 10 quilómetros sem parar. A verdade é que é preciso toda uma ginástica para me conseguir enfiar dentro daquilo. 

Ah mas depois de vestido é todo um conforto. Não é nada. Aquilo faz comichão, cai, aperta a pança. Enfim, não tem nada de bom e enerva-me. 

collants.jpg

Imagem retirada do site da Calzedonia (não ainda não me patrocinam, mas bem que podiam. É que não vendem só collants)

16.12.18

Chá das cinco com pequeno Hobbit

Xica Margarida

Cinco horas. Uma boa hora para me sentar confortavelmente e tomar um chá sem preocupações, apenas disfrutar do momento. Já pensei em fazê-lo várias vezes mas fico demasiado irritada para conseguir levantar-me da cama e ir fazer um chá. Sim falo das cinco horas da manhã. Confusos? É continuar a ler que já explico.

O que se passa é que eu tenho um vizinho (quem não tem) que partilha a parede do quarto comigo. Ou seja, ele deve dormir com a cabecinha linda dele encostada a mesma parede que eu encosto a minha linda cabecinha. Tudo lindo até agora. Tudo lindo até ele se ter mudado para cá. Foi nessa altura que começou a saga.

Há já alguns anos o homem (pequeno Hobbit de metro e meio, com o cabelo lambido por uma vaca e que não deve ter dentes porque nunca os mostra) acordava às 7 da manhã. Uma hora razoável, mas aqui a pessoa estava habituada a dormir até às 8 (ainda não tinha o cão, inocente que era). Então os problemas começaram porque a pessoa (que também não deve ter grande língua porque também não fala muito) acordava com o despertador em altos berros. Oh pá, ninguém merece ser acordado pelo despertador do vizinho. Mas pronto, a coisa era tolerada se ele acordasse e desligasse aquela merda logo de seguida. O problema é que o pequeno Hobbit acorda com uma seleção musical irrepreensível (já vamos falar sobre isso) que deixa a tocar durante uma hora. 

Fiz todos os esforços para conseguir falar com ele, mas pequeno Hobbit não deve conseguir chegar ao manípulo da porta e não a abre a ninguém. Então deixei-lhe um bilhete. Não resultou. Falei com o condomínio, com o senhorio. A única coisa que mudou foi o volume. Em vez de acordar a terra toda, passou a acordar-me só a mim. Mas pronto, via-se ali um esforço. E rendi-me. Já não havia nada a fazer. 

Uma bela noite o pequeno Hobbit decide acordar às 5 da manhã. E dizem vocês (três pequenos leitores meus que me seguem mesmo que sejam 5 da manhã) mas foi só uma noite. Pois foi. Achava eu que sim. Mas a pessoa agora acorda todos os dias às 5 da manhã. A verdade é que a música já não está tão alta. Mas eu sou pessoa que acorda com a respiração do meu cão (o ressonar, vá). Portanto, agora todos os dias tenho direito a chá das cinco com despertador durante uma hora. 

Ah, e importa mencionar a escolha musical do pequeno Hobbit. A pessoa já chegou a ouvir rancho aquela hora da manhã. Sim rancho, com vozes agudas e altas e tudo e tudo. Agora ouve uma rádio qualquer que toca o "Faz gostoso", da Blaya, aquela hora. Para certas pessoas pode fazer sentido, para mim (velha e arrumada que só quer dormir) não faz. 

12.12.18

Destas eu gostava de ter

Xica Margarida

Tenho cá em casa apenas a louça necessária para conseguir sobreviver no dia a dia. Ou seja, os serviços herdados da minha avó, as taças que a minha mãe quer que traga e coisas demais ficam em casa da minha mãe. Cá em casa não há nem espaço nem paciência para louça que não se usa. Mas estas chávenas, senhores, eu gostava de ter. Oh pá, encontrei-as no outro dia no Facebook e adorei. Alguém sabe onde se pode encontrar isto? Comprava já dois conjuntos.

IMG_0010.JPG

IMG_0013.JPG

IMG_0014.JPG

 

11.12.18

A única planta que sobrevive cá em casa

Xica Margarida

IMG_0080.JPG

Eu não sou uma pessoa muito dada a plantas. Assim, qualquer uma que venha cá para casa tem um fim triste. Menos uma. Esta continuar aqui e todos os anos dá flores vermelhas (ou rosa) por volta da altura do Natal. Não sei o que ela nos quer dizer mas nós não tratamos dela, raramente a regamos e ela continua a dar-nos flores lindas nesta altura do ano. 

10.12.18

O meu primeiro bolo

Xica Margarida

IMG_0002.JPG

(Primeiro bolo ainda no forno)

A aventura de fazer um bolo chamava por mim. Como não tinha forno nunca me tinha dedicado a essa façanha, mas agora que comprei um super forno (como podem comprovar pela imagem) estava na hora certa. 

Queria fazer um bolo parecido com os da minha mãe e, como ela não usa receitas, pesquisei na net uma receita parecida. Lá encontrei e meti mãos à obra. O primeiro bolo queimou. Subiu muito bem, estava muito lindo, mas começou logo a queimar. Liguei a pedir ajuda. Mãe, o que faço? O c%br@# do forno não dá para desligar a resistência de cima então a minha mãe deu-me a dica de colocar prata para não continuar a queimar. Agora já sei como fazer. 

Depois de saído do forno o bolo estava bom, mas queimado. Vai daí na semana seguinte fiz outro. Desta vez já não me ia deixar enganar pelo forno. O bolo não queimou mas abateu. Oh pá, que sorte! De maneiras que estamos assim. A ver se ganho coragem para fazer mais um... e ver desta vez o que acontece. Mas digo-vos, pessoas que me seguem atentamente, os bolos ficaram muito bons de sabor e muito fofinhos. Ah pois é!

3029B80E-C9F7-4DD6-B088-E2095847DBAF.JPEG

 

07.12.18

O brilho fora de casa

Xica Margarida

O Natal está a chegar e os enfeites já cá estão há muito tempo. Lojas começaram a decorar as montras com motivos de Natal desde Outubro, mas pronto aguenta-se. Este meu post tem a ver com o facto de as pessoas decorarem as suas casas, ou melhor, as suas janelas e portas com enfeites de Natal por motivos que não o Natal. Eu explico: às três pessoas que passam por cá para ver as novidades a questão é simples. O povo quer é que quem está na rua, os outros, possam ver os seus motivos de Natal. Cada um tem que ser mais fantástico que o outro. 

Em tempos tentei colocar a árvore de Natal lá do local de trabalho num sítio que não na janela. Todos me disseram: ah aí não porque não se vê lá de fora. Então mas o objetivo qual é? É parecer bem e que as pessoas na rua vejam que temos uma boa iluminação de Natal. Vai daí é preciso colocar luzes em todas as janelas e portas para que o povo veja que esta é uma casa onde o Natal mora. 

Pois bem meus doces, aqui a menina não decora portas nem janelas e está a borrifar-se se fica bem ou mal para os outros. A minha forma de lembrar o Natal cá em casa é como podem ver na imagem. Ah e tal é parvinho. Pois é a minha forma. E já vai com sorte porque até bem podia não ser nada. Ainda ontem me tentaram impingir uma coroa para por na porta (do lado de fora, para os outros verem, claro) mas não tiveram sorte. Não vou nessa!

9B897BA6-3CFD-4C6E-9420-69B75EC77D1D.JPEG

 

 

Euzinha

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Também estou aqui

O que já lá vai

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D