Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Xica Margarida

03.03.19

House of Cards - Mataram o Frank e tenho saudades dele

Xica Margarida

Comecei a ver a série House of Cards e adorei. Apesar das personagens principais fazerem das tripas coração para atingirem o poder, a verdade é que eu torcia sempre por eles. Estranho mas era assim. O Francis Underwood era terrível, mas havia ali qualquer coisa que me levava a torcer por ele. Pronto, era estranho, mas era assim. 

As pressões, os estratagemas, os malabarismos do sistema político americano eram ali tão bem retratados que até assusta. Caso para dizer que deixa de ser política. Deixa de ser interesse nacional e passa a ser interesse de uns quantos e dos priveligiados. Os podres, as chantagens, os benefícios... Fenomenal. Fiquei viciada na série. Até ao dia em que a Claire (mulher do Francis) diz que ele morreu. Esquece lá isso. Espetaram-me uma faca. Impossível! O Frank não morre, disse eu. Mataram-no. 

Eu já sabia que, por causa dos escândalos sexuais, a Netflix tinha tirado o kevin Spacey da série e estava curiosa para perceber como seria o House of Cards sem ele. A verdade é que, para mim, a série deixou de ter piada. Mataram o Frank e a série morreu com ele. Sempre gostei do Kevin Spacey, sempre admirei o seu trabalho como ator. Por isso, ver a série com ele e depois sem ele fez uma enorme diferença. Cheguei mesmo a ficar revoltada. Mataram o Frank. Eh pá, sei que ele provavelmente fez mal às pessoas e tal, mas ali o que estava em questão era o trabalho dele. Não o estou a defender, mas pronto, sinto a falta dele na série. Gostei muito da série, mas sem ele não tem a mesma piada. E acho que os produtores fizeram bem em não continuar muito tempo sem ele. 

Agora tenho que escolher outra série. Fiquei orfã de série...

house-of-cards-kevin-spacey_770x433_acf_cropped.jp

Imagem retirada do site observador.pt

 

2 comentários

Comentar post

Euzinha

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Também estou aqui

O que já lá vai

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub